julho 07, 2006

8 Historias de "bola"


ANGOLA

Golo Decisivo: Curar um País
Texto de Henning Mankell

Na primeira vez que visitei Angola, nem me apercebi de que entrara no país. Estávamos em 1987 e eu vivia no Noroeste da Zâmbia, perto da fronteira angolana. Estreitas estradas de areia serpenteavam pelo mato sem fim. Era fácil uma pessoa perder-se enquanto conduzia e, quando viajava até uma aldeia distante, desorientava-me com frequência. Quando parava para pedir ajuda, se a pessoa me respondia em português, eu precisava urgentemente de voltar para trás, atravessando rapidamente para o lado sossegado da fronteira invisível. Profundamente ferida por um longo período colonial, Angola viu-se sufocada, depois da independência, por uma violenta guerra civil. Os guerreiros do líder rebelde Jonas Savimbi, tristemente célebres pelos actos de violência indiscriminada que cometiam, andavam por todo o lado. Uma geração inteira de angolanos nunca soube o que era viver num país onde reinasse a paz.

Contudo, havia algo mágico naquela terra do outro lado da fronteira invisível: o futebol estava presente em toda a parte. Em campos de cascalho e em praias arenosas, sobre os passeios e nas praças das cidades, viam-se hordas de jovens a jogar à bola. Bolas feitas com os materiais mais inimagináveis – uma t-shirt velha, uma rede de pesca ou uma carteira de mulher, recheadas de papel e capim. Apesar disso, as bolas não deixavam de rolar e de saltar, servindo na mesma para cabecear e para marcar golos. A guerra nunca foi capaz de matar o futebol em Angola. Os campos de futebol foram declarados zonas desmilitarizadas e os encontros entre equipas serviam como defesa contra os horrores que grassavam por todo o lado. Depois de se defrontarem num jogo de futebol, as pessoas têm maior dificuldade em matar-se umas às outras.

Angola tem assistido ao êxodo de muitos dos seus futebolistas, que saem do país para ganhar a vida noutros países, sobretudo em Portugal, embora muitos não renunciem à nacionalidadee angolana. E quando os convocam para envergar os calções negros e as camisolas e meias vermelhas (as cores da selecção nacional) nem hesitam. Chamam-lhes carinhosamente “Palancas Negras”.

No dia 8 de Outubro de 2005, Angola entra em campo no Estádio de Amahoro, em Kigali. Nesse momento, vive-se uma situação espantosa: se Angola vencer o Ruanda por um só golo que seja, qualificar-se-á para a fase final do Campeonato do Mundo, à frente da Nigéria, independentemente do resultado do jogo entre a Nigéria e o Zimbabué. É uma espera de pesadelo para todos os angolanos, que aguardam, sentados, de orelhas pregadas nos rádios. Luanda imobiliza-se. Em Huambo, Lubango, Namibe, Lobito, Benguela, Malanje, em todas as cidades e aldeias, toda a gente se reúne à volta de um rádio. É bem possível que, no meio da savana, as próprias palancas estejam de ouvidos atentos.

No final da primeira parte, mantém-se o empate a zero. Entretanto, a Nigéria caminha para a vitória contra o Zimbabué. Em Kigali, porém, o jogo prossegue sem golos. Parece que tudo vai terminar mal para Angola. Imagina-se o que os jogadores e treinadores terão dito uns aos outros durante o intervalo. O nervosismo instala-se entre os jogadores. O Ruanda, para quem só a honra está em jogo, quase marca golo em várias oportunidades. Toda a gente concorda que Angola está a praticar um péssimo futebol. É uma equipa à beira do esgotamento. Os jogadores falham passes e desentendem-se. Faltam dez minutos para o fim. No seu desespero, os angolanos quase perderam a consciência. De súbito, o suplente Zé Kalanga, entrado há minutos, faz um centro tenso, tão surpreendente como brilhante. Fabrice “Akwa” Maieco está no lugar certo e, com a cabeça, marca na perfeição o único golo da partida, depois de a bola ressaltar no chão e ultrapassar o guardião ruandês, anichando-se nas malhas da baliza.

Seria preciso uma pessoa viver muitos anos em África para compreender o significado desta vitória. Como é evidente, neste momento ninguém acredita que Angola vá muito longe no torneio. Mas o futebol é, por natureza, imprevisível. Se periodicamente os vencidos antecipadamente não derrotassem os vencedores previsíveis, o futebol perderia interesse.
No entanto, já se conquistou uma grande vitória, mesmo que ela não tenha dado acesso a qualquer taça resplandecente. Acima de tudo, este triunfo está nos corações e nos espíritos de todos os angolanos. A qualificação para a fase final do Campeonato do Mundo de futebol representa muito para a autoconfiança de um país devastado pela guerra e pelas privações. Um país que, depois de ser castigado durante tanto tempo, irá de novo ser construído.


(Henning Mankell é autor de cerca de 40 romances, entre os quais os romances policiais protagonizados pelo inspector Kurt Wallander. Divide o seu tempo entre a Suécia e Moçambique, país onde dirige o Teatro Avenida.)


5 comentários:

Anónimo disse...

Olá.

É de realçar a emoção com que fazes a descrição desse país que é Angola :) tens muitas lembranças de lá e é natural q nao te passe indiferente.

Tb penso que o acesso ao Mundial fui muito importante para eles, porque tal como em todos os países, eles souberam o q era estar unidos por uma modalidade como o futebol, vibrarem juntos e sentirem todos a mesma emoção ;)

Posh Boy

posh_moments.blogs.sapo.pt

Intervencionista disse...

Caro Posh Boy,

Lamento mas as memórias não são minhas.... De qualquer for,a obrigado pelo comment.

Mac Adriano disse...

Um belo relato. Só poderia ter sido escrito por alguém que sabe manejar a pena.

Intervencionista disse...

Sem duvida, sem duvida.

Anónimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on! » »